Notícias

Is Religious Architecture Still Relevant?

09:30 – 12 April, 2018

 

by 

 

Some of the greatest architectural works throughout history have been the result of religion, driven by the need to construct spaces where humanity could be one step closer to a higher power. With more people choosing a secular lifestyle than ever before, are the effects that these buildings convey—timelessness, awe, silence and devotion, what Louis Kahn called the “immeasurable” and Le Corbusier called the “ineffable”—no longer relevant?

With the Vatican’s proposal for the 2018 Venice Biennale, described as “a sort of pilgrimage that is not only religious but also secular,” it is clear that the role of “religious” spaces is changing from the iconography of organized religion to ambiguous spaces that reflect the idea of “spirituality” as a whole.

So what does this mean? Is there still a key role for spirituality in architecture? Is it possible to create spaces for those of different faiths and those without faith at all? And what makes a space “spiritual” in the first place?

It is interesting to note that there is no fundamental or essential form for worship spaces in most major religions. Although we think of minarets for Islam and Gothic cathedrals for Catholicism, throughout history many sacred spaces were easily switched from one religion to another depending on those in power. For example, the Pantheon was stripped of its sculptures of Pagan gods and replaced with Christian imagery while the architecture itself stayed the same and played the same role. Buildings erected on Biblical sites have changed from churches to mosques to synagogues. Built sacred spaces, no matter the religion, often share very similar typologies, with the use of light and scale to evoke a sense of awe and piety.

However, historical architecture has very rarely built spaces with the purpose to house multiple religions. An exception is the Golden Temple in Amritsar (1577), where entrances on all four sides represent the temple’s willingness to open its doors for people from all walks of life and religions. But the historic desire to clearly separate the architecture of different faiths is changing, with the Temple of All Religions in Russia (1992) tackling the architectural problem by juxtaposing Greek Orthodox domes with Russian minarets and ornamental flourishes that would be at home in a Jewish synagogue or Islamic mosque. And currently being built in Berlin is the House of One (2015), where a church, synagogue, and mosque will exist under the same roof.

Another interesting way this issue has been explored is through “multifaith” rooms that exist in airports, shopping centers, hospitals, prisons, schools, and government buildings. These multifaith rooms, often invisible if one does not look for them, are typically simply an empty, white-walled room tucked in somewhere without any input by architects, where people of different faiths can come in to worship while waiting for a plane or a discharged patient. Andrew Crompton, Head of the School of Architecture at the University of Liverpool, explores the phenomenon of multifaith spaces and describes them as “mundane spaces without an aura,” explaining that “in order not to be meaningful in an inappropriate way, they use banal materials, avoid order and regularity, and are the architectural equivalent of ambient noise.” [1] Rather than attempting to promote unity through inclusion, using the Temple of All Religions’ approach of a strange eclectic mix of everything, these multifaith rooms attempt to promote unity by stripping away anything that evokes the sacred, leaving us with nothing.

But are “spiritual” or “multifaith” spaces even relevant in a time where rates of religiosity are declining rapidly? In fact, they may be more important than ever. Julio Bermudez’s collection of essays, Transcending Architecture: Contemporary Views on Sacred Space describes how “our contemporary civilization has exacerbated the feelings of existential emptiness and meaninglessness” and that the need for “spiritual” or “transcendent” space could not be more relevant. [2] With consumerism and hyper-connectivity, where we are continually besieged by constant images, noise, and information, the need for spaces to reflect, to meditate and to feel silence is crucial. In this way, spirituality in architecture can be completely disconnected from organized religion and take on a new role—with architecture that creates a sense of wonder, a space for reflection, and a glimpse into clarity.

The ways to create these architectural conditions can be learned from the structures of the past, to recreate the atmosphere of self-reflection and awe without the necessity of religion. Through form, space, scale, materiality, and light, the role of spiritual spaces can begin to form a new typology, one that today’s society can benefit from. Louis Kahn believed that spiritual spaces could be created through silence and light, evidenced in his projects such as the Salk Institute, where a program of religious worship was not essential to the creation of a sacred place. He described his use of light and dark in his architectural work as pertaining to the philosophy that “even a space intended to be dark should have just enough light from some mysterious opening to tell us how dark it really is.” [3] In the Salk Institute, the stark difference between the shadowy cloisters beneath the laboratories and the open brightness of the plaza emphasizes the qualities of light in each of those spaces, heightening the sense of drama and emotion. In Robert McCarter’s tome on Louis Kahn, he describes that although this plaza does not have a formal program, it “remains one of the most powerful and deeply moving spaces ever built.” [4]

Another way in which architects have tackled the question of how to create spiritual spaces is through the use of nature. The dappled shadows cast by the branches of an ancient tree, or the way the ocean laps gently against the shore, are all moments in nature that create a sense of tranquillity, working to uplift the human spirit. In the Salk Institute and Carlo Scarpa’s Brion Cemetery, the use of water flowing through the site acts as a moment of calm, its precision and simplicity creating a brief moment of absolute clarity. In Peter Zumthor’s Therme Vals water is an essential part of the program and, paired with the materiality of the quartz stone walls, it creates a surreal and meditative space. These examples give a hint to how these new spiritual spaces can be built, where the emphasis moves from specific religions to a space for all that is necessary for all.

Our ongoing architectural fascination with cathedrals, mosques, and temples points to the continuing relevance of religious architecture. Although we may not all follow the traditions and beliefs of organized religion, the effects that these buildings create suggests a new type of architecture that can be relevant and even essential in our current world.

Just as ivy grows round a wall for centuries, so the cathedrals have grown around the silence. They are built around the silence.
—Max Picard, The World of Silence

References

  1. Crompton, Andrew. “The Architecture of Multifaith Spaces: God Leaves the Building.” The Journal of Architecture, Volume 18 Issue 4 (2013).
  2. Bermudez, Julio. “Transcending Architecture: Contemporary Views on Sacred Space.” The Catholic University of America Press (2015).
  3. Kahn, Louis. and Vassella, Alessandro. (2013). Silence and light. Zurich: Park Books (2013)
  4. McCarter, Robert. (2005). Louis I. Khan. London: Phaidon (2009)

Balkrishna Doshi, o arquiteto indiano que transforma refúgios em moradias

Os edifícios do mais novo prêmio Pritzker mostram como a depuração da arquitetura tradicional cria prédios modernos.

 

Sangath, o estúdio do arquiteto Balkrishna Doshi, em Ahmedabad (Índia). Sangath, nome dado ao complexo, significa “avançar juntos por meio da participação”

“O design transforma refúgios em moradias.” Balkrishna Doshi (Pune, Índia, 1927), o primeiro arquiteto indiano e também o mais velho a receber o prêmio Pritzker, passou quase 70 anos demonstrando que a depuração da arquitetura tradicional cria edifícios modernos. É essa abstração, que os afasta dos modismos, que também impede que sejam datados. Doshi também tem defendido que o urbanismo, o paisagismo e a arquitetura não podem ser separados. E também que, na arquitetura, a responsabilidade é tão importante quanto a identidade.

O vencedor do prêmio Pritzker deste ano — em 2017, os vencedores foram os espanhóis do estúdio RCR — estudou arquitetura em Mumbai. Com 24 anos, viajou a Paris e permaneceu quatro anos na França trabalhando com Le Corbusier. Com ele, fez projetos em Chandigarh e Ahmedabad. Seria nesta cidade, a quinta mais populosa da Índia, onde cresceria profissionalmente fundando e construindo as escolas de arquitetura e urbanismo que comandou durante décadas.

Em 1962, quando os empresários têxteis de Ahmedabad pensaram em construir uma escola de negócios, o premiado arquiteto contou-lhes sobre Louis Kahn. O projetista do Museu de Arte Kimbell morreu quando voltava de uma das visitas às obras. Nunca viu seu edifício terminado. Mas deixou a marca das abóbodas no museu que, naquela época, era construído no Texas. Nem Doshi esqueceria as lições de Kahn, nem Kahn esqueceria as de Doshi. De seu “guru” Le Corbusier, havia aprendido a usar o concreto e a linguagem moderna. Com Kahn, aprendeu que o arcaico depurado mantém sua vigência.

O arquiteto indiano Balkrishna Doshi.

Os cilindros, os grandes arcos e as “abóbodas semienterradas”, segundo sua denominação, tornaram-se seu selo arquitetônico. No entanto, as utiliza porque permitem conviver com o sol e com a chuva. Sagath, o estúdio que construiu em 1980 em Ahmedabad, prova isso. O termo significa “avançando juntos” e, como Frank Lloyd Wright fez em sua escola-estúdio em Taliesin, também é um lugar que funciona como escritório e escola para 60 pessoas.

Doshi, que defende a arquitetura como transformação, viu sua cidade e seu país crescerem além das marcas do colonialismo britânico no qual nasceu. E, com frequência, tem dito que não é a oposição ao anterior, e sim sua digestão o que permite prosperar.

Nos mais de 100 edifícios e bairros que ele e seu estúdio construíram na Índia, os pátios, as persianas, as pérgolas que protegem os deslocamentos, a largura das ruas e as sacadas souberam lidar com o sol e aproveitar as brisas com uma sustentabilidade lógica e tradicional, que não precisa de rótulos, e que Doshi defende desde a década de setenta do século passado, quando também projetou, em Ahmedabad, o Instituto de Tecnologia e Meio Ambiente.

Compassivo, amável e sofisticado: é como descreve o ser humano. Humilde, anônima e sem adjetivos: é como sempre defendeu como a arquitetura deve ser. Mas que ninguém se confunda: a sustentabilidade ambiental, agora na moda, só pode ir de mãos dadas com a sustentabilidade econômica e responsabilidade social. É o modelo que tem sido defendido pelos grandes arquitetos universais. Luis Barragán, no México, e Oscar Niemeyer, no Brasil, deixaram claro que a tradição é que entende os lugares, e que a depuração moderna deve trabalhar a partir dela. Por isso, a modernidade de Doshi, assim como a de Niemeyer e de Barragán, é uma digestão, e não uma cópia.

Para este arquiteto indiano, como também para o desaparecido Charles Correa, era essencial reivindicar sua própria cultura em um momento em que o país acabava de conseguir sua independência. Embora também fosse essencial não se isolar e conseguir falar de si próprio para o mundo. Esse esforço está presente no discurso de um arquiteto tão fundamental pelos edifícios que construiu, quanto por seu compromisso com a educação de arquitetos capazes de trabalhar a partir do lugar e meios disponíveis, e não de teorias abstratas.

A Casa Kamala é a residência de Doshi em Ahmedabad (1958). Nela, a luz natural que penetra pelas junções entre os planos coexiste com a proteção que ameniza o excesso de luz solar.

Reconhecendo a trajetória de Doshi, o Pritzker lhe oferece uma medalha. Por um lado, premia um pioneiro quando se trata de projetar com os pés no solo, e não à distância nos escritórios. Por outro lado, reconhece uma arquitetura que concede a todos os sentidos — do tato à audição — a mesma importância que à visão. É muito difícil explicar o trabalho de Doshi com imagens. Em parte, é onde está seu valor: porque fala mais de um lugar do que de si mesmo. E o faz, não é necessário lembrar, com a responsabilidade de construir com os meios disponíveis. Ou seja, de maneira social, econômica e ambientalmente sustentável. Com 90 anos, é o arquiteto premiado com mais idade. Não questionaremos por que o Pritzker não o reconheceu antes. Seu prêmio entra na lista das recentes premiações concedidas a Wang Shu, Alejandro Aravena e Shigeru Ban e redefine a arquitetura como uma disciplina que entende o mundo inteiro (e não 5% do planeta) como seu campo de ação.

Maior arranha-céu de madeira do mundo é concluído em Vancouver

 

por Traduzido por Vinicius Libardoni

 

Cortesia de naturallywood.com

Cortesia de naturallywood.com

“Torre de madeira”, “arranha-céu de compensado”, pode chamá-lo como quiser, mas a era da madeira já chegou. Brock Commons Tallwood House, o edifício da moradia estudantil da University of British Columbia (UBC), recentemente concluído em Vancouver, ocupa atualmente uma posição de destaque no mundo da arquitetura – pelo menos até a próxima torre de madeira superar o que foi possível alcançar até agora.

Cortesia de naturallywood.com

Cortesia de naturallywood.com

 

Projetado pelo escritório canadense Acton Ostry Architects Inc., o projeto surgiu de um esforço conjunto entre uma série de empresas e consultores, incluindo a Architekten Hermann Kaufmann, da Fast + Epp, da Áustria, e a GHL Consultants Ltd., juntamente com o renomado fabricante de uma série de produtos e embalagens de madeira, Structurlam.

“Descobrimos que trabalhando com madeira, poderíamos reduzir os prazos da obra. A montagem da estrutura de madeira foi incrivelmente rápida, mais rápido do que esperávamos “, explicou John Metras, Diretor Gerente de Desenvolvimento de Infra-estrutura da UBC.

 

Cortesia de naturallywood.com

Cortesia de naturallywood.com

 

Cortesia de naturallywood.com

Cortesia de naturallywood.com

 

Alcançando uma altura de 53 metros, o edifício pode abrigar até 404 alunos e compreende uma mistura de unidades de quartos ou estúdios, espaços de estudo e convívio, e um lounge para os estudantes na cobertura. Com a equipe de projeto e construção trabalhando integradamente desde o início, o processo foi simplificado por um teste completo das conexões das peças de madeira através de uma maquete de dois pavimentos antes da construção no terreno. Isso não só permitiu à equipe testar a estabilidade estrutural, mas também ajudou a aprimorar o cronograma de obras.

Um modelo detalhado 3-D foi ainda mais importante para o processo da pré-fabricação, permitindo que diversas disciplinas discutissem e aplicassem as ideias antes da fabricação das peças e do início da construção. Devido ao planejamento meticuloso e à integração eficiente dos processos de projeto e construção, o Brock Commons foi concluído em apenas 70 dias após a fabricação e expedição dos componentes pré-fabricados – consideravelmente menor do que o tempo que teria levado para concluir a mesma obra em concreto.

 

Cortesia de naturallywood.com

Cortesia de naturallywood.com

Surpreendentemente, apesar da madeira ser o principal material utilizado na estrutura, interiormente isso não é perceptível. A estrutura está oculta atrás de fechamentos em drywall e painéis de concreto, utilizados principalmente para atender aos códigos de segurança contra incêndios, e consequentemente, acelerar a aprovação junto às autoridades competentes. Apesar de que, possivelmente isso seja motivo para algumas críticas do projeto, os profissionais responsáveis por esta imensa construção em madeira parecem ligar pouco para os aspectos negativos disso. Não só é economicamente viável, mas também devido ao manejo florestal sustentável, constitui um modelo de construção totalmente favorável ao meio ambiente. É leve e, portanto, menos propensos a danos durante os terremotos, e ainda, o mais importante, devido aos elementos pré-fabricados envolvidos, resulta em um processo de construção rápido e sem complicações, contribuindo muito pouco para o tráfego no local, poluição e ruído.

O recente desenvolvimento tecnológico certamente permite que processos e materiais de construção sejam mais eficientes. Cada vez mais arquitetos tem optado pela construção em madeira em vez de concreto e aço, também por causa da crescente conscientização à respeito das questão climáticas. Vários projetos de construção massiva em madeira  já estão em andamento em todo o mundo, e mais recentemente, em junho, o projeto do Terrace House projetado pelo escritório de Shigeru Ban foi apresentado – construído em Vancouver, será mais alto que o Brock Commons, e em breve receberá o título de “a construção híbrida em madeira mais alta do mundo”.

Templo chinês de duas mil toneladas é deslocado em 30 metros

Foram necessárias duas semanas para mover a construção de 135 anos

 

A imagem mostra o trabalho para relocar o

A imagem mostra o trabalho para relocar o “pavilhão Mahavira”, que pesa quase duas mil toneladas, do Templo do Buda de Jade, em Xangai. – CHANDAN KHANNA / AFP

 

XANGAI — O edifício principal de um templo budista de Xangai de 135 anos — o “pavilhão Mahavira”, que pesa quase duas mil toneladas — foi deslocado em 30 metros. A medida foi tomada para proteger o local, evitando o risco de incêndio, relativamente elevado com o grande número de varas de incenso.

O templo do Buda de Jade — que recebe milhares de visitantes por dia — foi colocado sobre trilhos especialmente concebidos para a operação e deslocado lentamente, com o objetivo de abrir mais espaço nas zonas adjacentes. Os operários injetaram cimento nas fundações da edificação para reforçá-lo, antes do deslocamento. A operação terminou no domingo, após duas semanas.

As estátuas do pavilhão foram protegidas previamente e seguiram junto com o edifício, segundo o “Diário do Povo”, jornal oficial do Partido Comunista da China.

É possível ver o templo sendo movido em imagens divulgadas pela Rede Global de Televisão da China (CGTN, na sigla em inglês). O vídeo, publicado no Twitter da emissora, mostra o deslocamento do edifício a partir do último 2 de setembro.

A operação é parte de uma campanha iniciada em julho de 2014 para responder às “preocupações em termos de incêndio e segurança do público”, informaram os diretores do templo, construído em 1882.

 

Foto tirada neste domingo mostra visitantes participando da cerimônia de conclusão do deslocamento do salão principal do templo de Yufo, também conhecido como o templo do Buda de Jade, em Xangai - STR / AFP

Foto tirada neste domingo mostra visitantes participando da cerimônia de conclusão do deslocamento do salão principal do templo de Yufo, também conhecido como o templo do Buda de Jade, em Xangai – STR / AFP

 

Foto tirada no último 5 de setembro mostra funcionários trabalhando no deslocamento do pavilhão principal do templo do Buda de Jade, em Xangai - CHANDAN KHANNA / AFP

Foto tirada no último 5 de setembro mostra funcionários trabalhando no deslocamento do pavilhão principal do templo do Buda de Jade, em Xangai – CHANDAN KHANNA / AFP

Página 1 de 17312345...102030...Última »