Notícias

Grupo Safra compra edifício Gherkin, em Londres, avaliado em R$ 2,6 bilhões

O imóvel em forma de ogiva foi posto à venda em julho deste ano e é um dos mais conhecidos da cidade

Reprodução O edifício Gherkin, de 40 andares, projetado por Norman Foster

 

Segundo informações da agência de notícias AFP, o grupo Safra, controlado pela família do banqueiro brasileiro Joseph Safra, anunciou nesta segunda-feira (10) a compra do emblemático edifício The Gherkin, no bairro financeiro da City de Londres.

O imóvel em forma de ogiva foi posto à venda em julho deste ano por cerca de £ 650 milhões.

Em seu comunicado, o grupo não revelou o montante da negociação.

O arranha-céu, projetado pelo arquiteto britânico Norman Foster, foi inaugurado em 2004. O prédio tem180 metros de altura, 41 andares e 47.000 metros quadrados de escritórios. Há um restaurante e bar no local.

“Em apenas dez anos, este edifício tornou-se um marco de Londres e se distingue de outros no mercado com excelente potencial de crescimento”, afirmou o Safra em um comunicado.

 

 

15 dicas para abrir um escritório de arquitetura e ter sucesso!

 

ENTRE AS ESTRATÉGIAS PARA GANHAR VISIBILIDADE E FECHAR BONS CONTRATOS, ARQUITETOS APONTAM A IMPORTÂNCIA DE SOCIALIZAR COM POTENCIAIS CLIENTES E PARTICIPAR DE CONCURSOS

Profissionais de renomados escritórios nacionais e estrangeiros de arquitetura compartilham, aqui, suas experiências e dão dicas a jovens arquitetos sobre como abrir uma empresa e obter sucesso.

As dez melhores faculdades de arquitetura da Europa
10 filmes que todo estudante de arquitetura deveria assistir
Veja 20 casas feitas de contêineres ao redor do mundo

Há muitas questões a serem consideradas, mas, segundo Mark Cavagnero, que abriu o escritórioMark Cavagnero Associates Architects há 19 anos, em San Francisco (EUA), a mais importante e pouco comentada é: como ser contratado? Para ele, que falou ao portal Architizer, não se trata apenas de iniciar seu negócio, mas de como efetivamente sobreviver com ele.

No Brasil, segundo Rodrigo Marcondes Ferraz, titular do estúdio FGMF Arquitetos, abrir um escritório de arquitetura é muito simples. “Você pode começar, após formado, com apenas um computador e um telefone dentro de casa. Do ponto de vista fiscal é possível emitir recibos de autônomo e a situação está resolvida”, explica. Porém, fazer com que ele cresça, trabalhe em projetos de maior escala e tenha reconhecimento dos pares e do mercado é algo mais complicado.

Marcondes Ferraz cita, como passos em direção ao equilíbrio financeiro e ao sucesso, a formação constante da equipe, especialização do escritório, busca pela originalidade nos projetos, criatividade e profissionalismo ao lidar com questões técnicas, e participação em concursos. “Tente se envolver com os órgãos de classe, encontre seus colegas, veja o que está acontecendo do lado de fora do seu escritório e, por fim, seja curioso sempre”, destaca.

Para os arquitetos do ateliê franco-brasileiro Triptyque, abrir um escritório é “um grande salto no escuro”, ato que deve ser considerado, de preferência, na vitalidade avassaladora da juventude ou somente após conquistar experiência suficiente para conhecer – e convencer – um mercado conservador por natureza.

Eles aconselham que, primeiramente, o arquiteto tome consciência da sua nulidade como administrador de empresa e, em seguida, insista na correção desse problema. Além disso, mostrar capacidade de adaptação e persuasão sem perder o foco e ter otimismo são características essenciais para chegar ao sucesso.

Confira as principais dicas:

1. Quem é você?

Antes de começar a produzir releases e prospectar clientes, a primeira coisa a ser feita é determinar o que você quer ser quando crescer. Acreditar no seu trabalho e encontrar sua verdadeira paixão é a chave para comunicar bem as suas ideias a outras pessoas.

2. Socialize com os clientes que você quer ter

Liderar um escritório significa estar sempre trabalhando. Não há separação entre vida social e profissional. A qualquer momento você pode estar em uma conversa com um potencial cliente. Porém, não force a barra, seja você mesmo e ele perceberá isso.

3. Descubra o que sua cidade oferece para as empresas locais

Na cidade norte-americana de San Francisco, por exemplo, é possível se registrar como uma empresa de negócio local e, com isso, integrar uma lista que permitirá contato com o governo e escritórios já estabelecidos.

4. Peça conselhos

Ligue para profissionais que você admira. Na conversa, apresente-se e pergunte sobre a possibilidade de saber mais sobre as experiências e desafios enfrentados por eles.

5. Planeje orçamento para marketing e desenvolvimento de negócios

Fazer marketing em um escritório pequeno pode parecer luxo para algumas pessoas. Porém, divulgar sua marca é essencial. Aproveite que você é treinado para solucionar problemas com criatividade e coloque isso no marketing também.

6. Considere um pro bono ou baixos honorários – para o projeto certo

Se tiver chance, trabalhe voluntariamente ou junte-se a algum profissional ou equipe em um projeto com baixos honorários. Mas escolha um que você acredite e que terá bastante visibilidade.

7. Participe de concursos

Envie desenhos e renders para competições. Mesmo que que você não vença o concurso ou que seu projeto não seja construído, é uma boa oportunidade de ficar conhecido.

8. Invista em boas fotografias

Para ser publicado na mídia impressa ou na web, você precisa ter fotos de alta qualidade. Para isso, o ideal é encontrar um fotógrafo que compreenda a sua visão. Assim, os bons projetos são exaltados e os mais modestos acabam sendo valorizados.

9. A internet é sua amiga

Com a diminuição da mídia impressa, será mais difícil publicar em revistas. Porém, todas elas têm edições online. Relacione-se com os editores dessas publicações. Quanto mais projetos forem publicados na internet, mais facilmente você será encontrado por palavras-chave nos sites de busca.

10.Trate seus pequenos projetos como se fossem maiores

Fale sobre qualquer projeto que você tenha trabalhado usando palavras que o valorizem e jamais subestime seus conhecimentos. Você é dono de cada projeto em que você trabalhou, não importa o tamanho.

11. Associe-se a grandes escritórios para participar de projetos de destaque

Como um escritório iniciante, você não terá capacidade de lidar com comissões altas. Mas você pode se associar a empresas acostumadas com elas. Deixe elas saberem de seu interesse. Iniciar com uma pequena parte de um grande projeto pode levar a conquistas maiores no futuro.

12. Leve a sério as oportunidades excêntricas

Por mais estranhas que possam parecer, elas podem gerar projetos interessantes e gerar visibilidade.

13. Relacione-se com toda a indústria, não só com os arquitetos

Não ignore um fornecedor ou fabricante de móveis em um evento, só porque ele não é um designer. Eles têm informações valiosas que podem lhe ajudar a conquistar clientes. Por isso, relacione-se com pessoas que estão olhando para o mesmo tipo de trabalho que você, mas de um ângulo completamente diferente.

14. Seja publicado em lugares que os clientes irão ver

Lembre-se: suas revistas favoritas nem sempre são as mesmas que as dos seus potenciais clientes. É bom ser reconhecido pelos colegas de profissão, mas não se esqueça dos interesses de seus clientes – também procure publicações de negócios e comportamento influentes em sua região.

15. Interaja com grupos interessados em reformas

Praticamente todos os lugares em que pais jovens estão reunidos – parquinhos, churrascos, festa de aniversários etc. – são bons para prospectar clientes. Se você tiver filhos, então, melhor ainda. As reformas e construções de casas unifamiliares, geralmente, são conseguidas por meio da escola e dos pais dos alunos.

Elegância e sobriedade dão o tom da 24ª edição da Casa Cor Rio

Cores neutras, madeira e painéis com jardim vertical são alguns dos destaques dos ambientes da mostra de decoração

Ambientes arejados e amplos, apesar da pouca metragem dos apartamentos. A 24ª edição da Casa Cor Rio prova que a elegância não está restrita a apartamentos luxuosos e gigantescos. Com recursos da própria mobília ou de “paredes de vidro”, os ambientes ganham divisórias criativas, que não inviabilizam o pouco espaço disponível. No loft projetado pela designer Paola Ribeiro, por exemplo, uma estante de livros faz as vezes de parede, separando o quarto da sala de estar.

 

Os tons terrosos e o chão acarpetado deixam o quarto de casal muito mais confortável e aquecido. Projeto de Luiz Fernando Gtabowsky. Foto: Divulgação

 

Serviço:
Casa Cor Rio
Data – 29 de outubro a 7 de dezembro
Local – CasaShopping
End. – Avenida Ayrton Senna, 2150 blocos O/P – Barra da Tijuca – RJ
Horário – terça a sábado (e feriados) das 12h às 22h; domingo das 12h às 20h
Ingresso – terça e quarta-feira: R$ 40,00; quinta a domingo (inclusive feriados): R$ 50,00; passaporte válido para todos os dias da mostra: R$ 80,00

Praia de Ponta Negra, em Maricá, vai receber hotel de luxo

Anúncio foi feito pela prefeitura da cidade

A Praia de Ponta Negra, em Maricá, vai receber um hotel de luxo do grupo italiano Massoli, conforme anunciou nesta quarta-feira a prefeitura da cidade. O empreendimento deverá ter cerca de 80 suítes e ficará em uma encosta próxima ao farol que dá nome ao bairro. Todas as acomodações terão vista para o mar.

Assim como o sofisticado La Pergola — entre as cidades italianas de Lazio e Umbria — e outros cinco hotéis da empresa, o projeto de Maricá também deverá ganhar uma enoteca. A previsão é que o empreendimento comece a operar em um ano.

O contato com representantes do grupo ocorreu durante a feira de investimentos imobiliários Eire, em Milão, no ano passado. Na ocasião, representantes do município receberam 300 empresas em mais de 100 reuniões realizadas nos três dias de evento. O objetivo era oferecer a cidade como um pólo atrativo para novos investimentos, especialmente em infraestrutura e turismo. “Eles só chegaram até aqui porque apresentamos não só oportunidades únicas, mas também um ambiente econômico atraente e seguro”, comemorou o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Lourival Casula.

 

São Pedro da Aldeia cria incentivos para atrair indústrias

Município recebe multinacional da área offshore e o maior frigorífico do estado

EDUARDO OLIVEIRA

Com economia baseada na pesca artesanal e no turismo, São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos, aposta na isenção de impostos e na desburocratização para incentivar o desenvolvimento. A cidade de 88 mil habitantes, a 140 quilômetros do Rio, passou a oferecer ajuda para acelerar os processos burocráticos e estimular as empresas a comprar terrenos para se instalar e gerar empregos locais. De olho na política de incentivos, o Grupo Sonda adquiriu uma área de 18 milhões de metros quadrados no bairro São Matheus para criação de um polo industrial e logístico.

De acordo com a prefeitura, atualmente 10 empresas estão interessadas em se instalar no local. Em um dos terrenos, o grupo construiu um complexo tecnológico de 300 mil metros quadrados. “A gente faz o meio de campo entre as empresas e os proprietários da terra para acelerar todo o trâmite”, afirmou o coordenador de Desenvolvimento Econômico do município, Gilson Brandão.

A empresa italiana Remu comprou um espaço de 12 mil metros quadrados no polo e será a primeira multinacional do segmento offshore instalada na cidade, a 72 quilômetros de Macaé, a principal base de operações de petróleo e gás do estado. O empreendimento abrigará indústria de alta precisão, que fabricará conexões submarinas e válvulas para serem usadas em campos de petróleo. O valor investido é de cerca de R$ 30 milhões, e a Remu terá cinco anos de isenção de impostos municipais. Inicialmente, 50 empregos serão gerados.

O administrador da Remu, Carlo Marasca, ressaltou que a empresa vai qualificar moradores locais para contratação. “São Pedro da Aldeia é um município estrategicamente localizado e tem o desejo de crescer, se desenvolver e aumentar a qualidade de vida. A Remu vai gerar empregos e trazer educação profissional. Haverá entrevistas para identificar o que falta na capacitação de mão de obra e vamos oferecer cursos de treinamento aos moradores”, disse.

Segundo Brandão, a prefeitura também investe em qualificação tecnológica junto ao Senai para que os moradores da cidade e região possam usufruir a geração de postos de trabalho. “Tudo isso traz benefícios para o município e para a população, já que a geração de emprego só tende a aumentar”, diz o prefeito Cláudio Chumbinho (PT).

Frigorífico vai gerar 600 empregos

São Pedro da Aldeia também ganhará o maior frigorífico do estado e um dos oito maiores do país. Localizada em uma área de 10.800 metros quadrados, a unidade da Mayara Distribuidora está sendo construída no bairro Balneário e vai atender todo o Rio de Janeiro. No total, 600 empregos diretos serão gerados. A obra conta com um investimento de R$ 25 milhões. A inauguração está prevista para o fim de 2016.

“São Pedro da Aldeia está crescendo muito. Várias empresas estão indo para o município. Todo o processo será realizado em três etapas. Na primeira, ficarão prontas sete câmaras, sendo duas de refrigeração e cinco de congelamento”, explicou o empresário Hugo Cecílio.

No momento, o terreno passa pela primeira fase. A empresa contratou 80 funcionários e outros 30 foram absorvidos por empresas terceirizadas. Com exceção das vagas que exigem alta qualificação, a mão de obra é aldeense. Aproximadamente 50 pessoas serão empregadas quando a primeira fase de trabalho for concluída, até o próximo mês de dezembro. “A captação de empresas traz vários benefícios para o município, e a geração de emprego é o mais imediato deles. Cada empresa que chega traz centenas de vagas para o mercado de trabalho”, afirmou o prefeito.

Página 10 de 174« Primeira...89101112...203040...Última »