Notícias

Maior arranha-céu de madeira do mundo é concluído em Vancouver

 

por Traduzido por Vinicius Libardoni

 

Cortesia de naturallywood.com

Cortesia de naturallywood.com

“Torre de madeira”, “arranha-céu de compensado”, pode chamá-lo como quiser, mas a era da madeira já chegou. Brock Commons Tallwood House, o edifício da moradia estudantil da University of British Columbia (UBC), recentemente concluído em Vancouver, ocupa atualmente uma posição de destaque no mundo da arquitetura – pelo menos até a próxima torre de madeira superar o que foi possível alcançar até agora.

Cortesia de naturallywood.com

Cortesia de naturallywood.com

 

Projetado pelo escritório canadense Acton Ostry Architects Inc., o projeto surgiu de um esforço conjunto entre uma série de empresas e consultores, incluindo a Architekten Hermann Kaufmann, da Fast + Epp, da Áustria, e a GHL Consultants Ltd., juntamente com o renomado fabricante de uma série de produtos e embalagens de madeira, Structurlam.

“Descobrimos que trabalhando com madeira, poderíamos reduzir os prazos da obra. A montagem da estrutura de madeira foi incrivelmente rápida, mais rápido do que esperávamos “, explicou John Metras, Diretor Gerente de Desenvolvimento de Infra-estrutura da UBC.

 

Cortesia de naturallywood.com

Cortesia de naturallywood.com

 

Cortesia de naturallywood.com

Cortesia de naturallywood.com

 

Alcançando uma altura de 53 metros, o edifício pode abrigar até 404 alunos e compreende uma mistura de unidades de quartos ou estúdios, espaços de estudo e convívio, e um lounge para os estudantes na cobertura. Com a equipe de projeto e construção trabalhando integradamente desde o início, o processo foi simplificado por um teste completo das conexões das peças de madeira através de uma maquete de dois pavimentos antes da construção no terreno. Isso não só permitiu à equipe testar a estabilidade estrutural, mas também ajudou a aprimorar o cronograma de obras.

Um modelo detalhado 3-D foi ainda mais importante para o processo da pré-fabricação, permitindo que diversas disciplinas discutissem e aplicassem as ideias antes da fabricação das peças e do início da construção. Devido ao planejamento meticuloso e à integração eficiente dos processos de projeto e construção, o Brock Commons foi concluído em apenas 70 dias após a fabricação e expedição dos componentes pré-fabricados – consideravelmente menor do que o tempo que teria levado para concluir a mesma obra em concreto.

 

Cortesia de naturallywood.com

Cortesia de naturallywood.com

Surpreendentemente, apesar da madeira ser o principal material utilizado na estrutura, interiormente isso não é perceptível. A estrutura está oculta atrás de fechamentos em drywall e painéis de concreto, utilizados principalmente para atender aos códigos de segurança contra incêndios, e consequentemente, acelerar a aprovação junto às autoridades competentes. Apesar de que, possivelmente isso seja motivo para algumas críticas do projeto, os profissionais responsáveis por esta imensa construção em madeira parecem ligar pouco para os aspectos negativos disso. Não só é economicamente viável, mas também devido ao manejo florestal sustentável, constitui um modelo de construção totalmente favorável ao meio ambiente. É leve e, portanto, menos propensos a danos durante os terremotos, e ainda, o mais importante, devido aos elementos pré-fabricados envolvidos, resulta em um processo de construção rápido e sem complicações, contribuindo muito pouco para o tráfego no local, poluição e ruído.

O recente desenvolvimento tecnológico certamente permite que processos e materiais de construção sejam mais eficientes. Cada vez mais arquitetos tem optado pela construção em madeira em vez de concreto e aço, também por causa da crescente conscientização à respeito das questão climáticas. Vários projetos de construção massiva em madeira  já estão em andamento em todo o mundo, e mais recentemente, em junho, o projeto do Terrace House projetado pelo escritório de Shigeru Ban foi apresentado – construído em Vancouver, será mais alto que o Brock Commons, e em breve receberá o título de “a construção híbrida em madeira mais alta do mundo”.

Templo chinês de duas mil toneladas é deslocado em 30 metros

Foram necessárias duas semanas para mover a construção de 135 anos

 

A imagem mostra o trabalho para relocar o

A imagem mostra o trabalho para relocar o “pavilhão Mahavira”, que pesa quase duas mil toneladas, do Templo do Buda de Jade, em Xangai. – CHANDAN KHANNA / AFP

 

XANGAI — O edifício principal de um templo budista de Xangai de 135 anos — o “pavilhão Mahavira”, que pesa quase duas mil toneladas — foi deslocado em 30 metros. A medida foi tomada para proteger o local, evitando o risco de incêndio, relativamente elevado com o grande número de varas de incenso.

O templo do Buda de Jade — que recebe milhares de visitantes por dia — foi colocado sobre trilhos especialmente concebidos para a operação e deslocado lentamente, com o objetivo de abrir mais espaço nas zonas adjacentes. Os operários injetaram cimento nas fundações da edificação para reforçá-lo, antes do deslocamento. A operação terminou no domingo, após duas semanas.

As estátuas do pavilhão foram protegidas previamente e seguiram junto com o edifício, segundo o “Diário do Povo”, jornal oficial do Partido Comunista da China.

É possível ver o templo sendo movido em imagens divulgadas pela Rede Global de Televisão da China (CGTN, na sigla em inglês). O vídeo, publicado no Twitter da emissora, mostra o deslocamento do edifício a partir do último 2 de setembro.

A operação é parte de uma campanha iniciada em julho de 2014 para responder às “preocupações em termos de incêndio e segurança do público”, informaram os diretores do templo, construído em 1882.

 

Foto tirada neste domingo mostra visitantes participando da cerimônia de conclusão do deslocamento do salão principal do templo de Yufo, também conhecido como o templo do Buda de Jade, em Xangai - STR / AFP

Foto tirada neste domingo mostra visitantes participando da cerimônia de conclusão do deslocamento do salão principal do templo de Yufo, também conhecido como o templo do Buda de Jade, em Xangai – STR / AFP

 

Foto tirada no último 5 de setembro mostra funcionários trabalhando no deslocamento do pavilhão principal do templo do Buda de Jade, em Xangai - CHANDAN KHANNA / AFP

Foto tirada no último 5 de setembro mostra funcionários trabalhando no deslocamento do pavilhão principal do templo do Buda de Jade, em Xangai – CHANDAN KHANNA / AFP

Wang Shu: “Architecture is Not Just an Object That You Place in the Environment”

“[Architecture can] change the life of people and give them a new one right away. This is not a job for normal people to do. This should be the work of God.”

In this video from the Louisiana Channel Chinese architect, Pritzker Prize Laureate and co-founder (with Lu Wenyu) of the Amateur Architecture Studio Wang Shu shares his perspective on contemporary architecture and what it means to be an architect today. “Architecture is not just an object that you place in the environment,” Shu explains. “Your experience of the architecture starts far away from the building. Architecture is not only the house in itself; it also includes a big area around it. All of this is architecture.”

His studio focuses on designing buildings and urban spaces that foster community and work from the bottom up: “We think that a society that is good for people to live in starts from the ground. Real culture starts from the ground.”

Wang Shu was interviewed by Marc-Christoph Wagner at Louisiana Museum of Modern Art, Denmark, in March 2017. Until April 30th, the museum is exhibiting the work of Wang Shu.

Via Louisiana Channel.

ARCHDAILY KENNETH FRAMPTON

Kenneth Frampton On The Work of Wang Shu and Lu Wenyu

Until April 30th, the Louisiana Museum of Modern Art in Denmark is exhibiting the work of Wang Shu. The first in a new series of monographic exhibitions collectively titled “The Architect’s Studio,” this show of the work of the 2012 Pritzker Prize winner features an exhibition catalog that includes essays from Kenneth Frampton, Ole Bouman, Yiping Dong and Aric Chen.

Ler o artigo no archdaily.com >

Louis Kahn and Renzo Piano: The Harmony Between Each Legend’s Kimbell Museum Wing

Louis Kahn’s Kimbell Art Museum is a masterclass in natural lighting, with thin-shelled concrete vaults that feature subtle openings to reflect light into the galleries below. While Kahn’s wing of the Fort Worth Museum opened in 1972, in 2013 a second Renzo Piano-designed pavilion was added to the complex. Piano was selected to design the addition because he had worked for Kahn as a budding architect, and the homage to his former mentor is evident in the building’s similar layout and use of translucent glass panels. In this video, architect-photographer Songkai Liu takes viewers on a serene stroll through the museum’s campus. Time-lapses and pans of Kahn’s concrete are juxtaposed with the clean details of Piano’s glass in a soothing exploration of the two complementary projects.

To read more about this two-for-one of beautiful museums, read the following articles on ArchDaily:

ARCHDAILY RONNIE SELF

Seeming Inevitability: Reconsidering Renzo Piano’s Addition To Louis Kahn’s Kimbell

When Renzo Piano’s addition to the Kimbell opened in late 2013, critical responses ranged from “both architects at the top of their games” (Witold Rybczynski) to “generous to a fault” (Mark Lamster) to “distant defacement” (Thomas de Monchaux).

Ler o artigo no archdaily.com >

Piano Takes on Kahn at Kimbell Museum Expansion

For architects, Louis Kahn’s Kimbell Museum has long been hallowed ground. For Renzo Piano, who designed the museum’s first major expansion, it was also an enormous difficulty to overcome. His addition to the museum could be neither too close to Kahn’s building, nor too far.

Ler o artigo no archdaily.com >

Página 6 de 175« Primeira...45678...203040...Última »